Fala, amigos. Tudo bem com vocês? Eu espero que sim. Esse é, sim, mais um alerta de textão em forma de texto no blog - é bom vocês saberem.

A grande questão de hoje é: Para onde foi toda a nossa energia e dedicação por coisas, projetos e inspirações afins? Está foda, e eu não vou mentir pra vocês. Senta que o textão (como o próprio nome sugere) é longo.

Eu falei um tempo atrás (como é possível ver aqui) que, em linhas gerais, estava frustrada com a faculdade e com o rumo que minha vida de freela home office havia chegado. Pois bem, agora vocês estão diante de alguém que está prestes a cancelar/trancar a faculdade esse ano, pra tentar se organizar na vida. Que decisão difícil foi essa, meus amigos. Me senti uma péssima pessoa por estar abrindo mão disso, apesar de saber que eu só estava indo... sem propósito nenhum além do de passar nas disciplinas e pronto. Não era o certo. Não era e não é.

Como pode, afinal de contas, algo ser bom se nem vontade de sair de casa e ir para o tal lugar eu não tinha mais? Anyway, eu decidi parar. Por um tempo. Por um tempo pq é suicídio desistir de uma faculdade no mundo em que vivemos, infelizmente. Me matriculei em cursos que acredito ser mais válidos para a minha formação do que uma faculdade no momento, e espero estar certa. É possível que nas próximas semanas eu vá até a faculdade pra oficializar tudo isso. Pra dar um tempo disso e mandar um belo foda-se pro status acadêmico que está me pressionando. Status esse que pressiona quando tu vai às aulas e que vai sufocar mais ainda quando eu sair de lá com o curso trancado por um período que ainda não decidi. Já viu alguém ser olhado sem julgamento depois de dizer que trancou a faculdade? Eu não.

Mas aí é claro que a gente também sempre esbarra na questão financeira. Eu sou bolsista na faculdade, e realmente não estou parando porque não tenho mais dinheiro pra jogar na faculdade. Não é isso. Eu falei naquele texto de lá sobre os meus freelas que não estavam mais surgindo. De julho do ano passado pra cá eu resolvi que finalmente trabalharia em casa, na minha falsa sensação de liberdade e proteção (bem real essa, se parar pra avaliar). Tive meus lucros, sim, mas nenhum (ou quase nenhum) deles financeiro. 

É uma porra tu ver tudo o que tu acredita (falando de estilo de vida e trabalho saudável) indo por água abaixo. É um saco, na verdade. Tu sente como se não tivesse produzido, criado, vivido e realizado NADA de bom nesse meio tempo em que tu te sentiu livre para trabalhar como quisesse. Aparentemente, se tu não tem quem te indique, tu não tem nada. Sem contar, é claro, que os possíveis futuros clientes não valorizam nem 1% do teu trabalho. Inclusive, se eles fossem sinceros contigo, talvez dissessem que só estão pagando esses muitos dinheiros abaixo de um salário mínimo pq ninguém topou fazer em troca de divulgação do portfólio.

Só que adivinha: Divulgar portfólio não paga as contas!

Felizmente isso nunca me aconteceu, mas não me orgulho de dizer que minha vida online se tornou correr atrás de oportunidade freelancer em sites do gênero. Já vi texto por 3 reais e post com divulgação de link custando trinta CENTAVOS. O que as pessoas têm na cabeça?

O freela ainda não é levado a sério no Brasil. Talvez pq o próprio freelancer não se leve muito a sério na hora de cobrar algo, já que ninguém vai pagar o que tu sabe que é justo. Mas as contas continuam lá. Eu tenho muita sorte de não ter precisado sair de casa ainda e confesso que minhas contas não são absurdas - mas se tornam no momento em que não se tem quase nada para receber.

Voltar a mandar currículo? Correr atrás de agências da cidade para estar fisicamente lá? Eu não quero. Eu realmente não quero fazer isso, mas é como se a vida de vez em quando te acordasse no susto pra tu te obrigar a fazer isso. Como se nada daquilo que tu acredita fosse verdade ou possivelmente real pra viver.

Aparentemente eu não posso ser a pessoa que vai trancar a faculdade, vai se dedicar a blogs e um canal e que faz social media e redação de forma freela pras empresas. Essas pequenas ambições soam errado pra vocês? Pq pra mim que tô na história sempre pareceu tudo ok, então me digam se isso é só ser idiota. Pq tem vezes que é foda. Como agora. Tem vezes que bate a crise existencial e tudo o que tu pensava há 2 minutos já não faz sentido. 

Pq a sociedade exige tanto de nós? Um papel que diz que fiz faculdade, um emprego fixo que imprime meu status de trabalhadora incansável e mecânica, um sorriso no rosto enquanto conto que farei mil disciplinas enquanto me atolo em posts agendados para empresas que me pagam um nada e acham que já é muito. O retrato da felicidade, não é mesmo?

Talvez esse texto se pareça muito com aquele que linkei ali em cima, mas veja bem: O primeiro se tratava de indagações, dúvidas e devaneios sobre o que será que aconteceria se eu fizesse o que de fato estou fazendo agora com a minha vida acadêmica e com o meu trabalho quase inexistente.

Meu deus, como eu desfoquei da ideia inicial desse texto. E que enorme que ele ficou também.

Tá, por hoje era isso. Quando as ideias estiverem melhor estruturadas eu volto.

Té mais, migos.




Deixe um comentário

Que tal deixar um comentário bem maneiro aí?