Fonte

Bom gente, a verdade é que não ia sair nenhum post hoje. Eu tinha pensado em escrever algo sobre a Kesha e a música que ela lançou depois de Praying, mas dado o acontecimento dessa quinta, eu senti que precisava falar do menino Chester, vocalista do Linkin Park, que já não tá mais por aqui agora.

Se tu é leitor de pouco tempo aqui no blog, talvez não saiba o quanto eu gosto de Linkin Park e nem como as músicas deles soam para mim. Linkin Park figurou entre 4 posts do antigo Rock de Segunda que eu postava por aqui.

Eles fizeram parte dos posts Rock-Desespero, Minha playlist de aniversário, Retrospectiva Rock 'n Roll e o post onde o tema do Rock de Segunda era especificamente Linkin Park. Os 4 posts citados são de 2013, mas já não estão em modo público, devido às mudanças que fiz no blog. Anyway, essa informação serve pra dizer que eu sempre gostei muito da banda e muitos anos atrás eu tinha vários wallpapers deles junto com diversas músicas baixadas.

Eu recebi a notícia de que Chester Bennington havia morrido já era finzinho da tarde de hoje. Eu, que moro no twitter e costumo me atualizar rapidamente do que é notícia no mundo através de lá, hoje tinha ficado fora do site pra agendar postagens de um freela e passar um tempo vendo vídeos dos canais que acompanho no youtube. Só fui saber do acontecido muitas horas depois e me partiu o coração.

Assim como eu disse no meu twitter (mas ele é fechado, então vou falar de novo aqui), eu não me lembro de ter ficado tão nervosa ao saber da morte de algum artista, mas hoje me senti assim. Talvez por ser tão inesperado (mas quando que uma coisa dessas é esperada, né?) e por eu ter simplesmente adorado o último lançamento deles em maio, fiquei chocada e perguntei repetidas vezes se isso não era uma brincadeira. Não era. Chester se foi e foi através de um enforcamento, pelo que li.

Por coincidência, o mesmo Linkin Park que hoje perdeu Chester lançou um clipe novo horas antes do mundo receber notícias desse ocorrido. É o vídeo de Talking to myself, uma música simplesmente inacreditável de tão boa que foi lançada em maio desse ano e, graças às playlists de novidades da semana que tem no Spotify, foi assim que conheci a música, logo em seguida li a letra e simplesmente me apaixonei por ela.

A letra me rasgou o peito no momento em que li e o vocal não podia estar mais perfeito. Hoje, quando fui assistir o clipe (praticamente meia hora antes de redigir esse post), foi extremamente triste e doloroso ouvir a voz do Chester e vê-lo em toda a sua vitalidade, cantando em trechos de shows que compõem o vídeo e interagindo com a plateia e seus colegas de banda a todo o momento.


Foi dito que Chester sofria de depressão, mas eu ainda não quis clicar em todos os links de notícias que explicam melhor todo o fato. Me limitei aos twits e a clicar no novo vídeo que, até o momento, está em 2º lugar no "Em alta" do youtube. Nesse momento a minha vontade seria a de reclamar que as pessoas só buscam pelo conteúdo quando algo acontece, mas quero me limitar a pensar que isso pode ser a única forma efetiva de uma singela homenagem. É mais fácil do que simplesmente ver o lado ruim de uma coisa que já ficou mais do que péssima com essa história em todos os sites de noticiários.

Um tempo depois eu vi a notícia de que o próprio Mike Shinoda (também integrante do Linkin Park e meu favorito da banda desde sempre) confirmou no seu twitter que Chester já havia partido. Eu conheço o trabalho do Mike tanto no Linkin quanto na Fort Minor e só posso dizer que ele deve estar completamente destroçado por perder o seu amigo e parceiro de banda - banda essa que já tinha seus 21 anos de estrada.

Hoje o Chester se foi e, assim como em Talking to myself, ficamos todos falando sozinhos/com a gente mesmo.

Até retomarmos o silêncio.


Deixe um comentário

Que tal deixar um comentário bem maneiro aí?