E por que que eu digo isso: Porque é verdade. Raras vezes a gente se surpreendeu tanto com o óbvio, o simples, o normal e o ameno. Quantas vezes na vida a gente simplesmente não quis tratar a própria existência com a mesma naturalidade que JoutJout?

Conheci a Jout já da metade pro fim do ano passado. E me encantei. Via todos os dias um vídeo dela e me encantava mais ainda. Assim como a maioria das pessoas que chegaram até o seu canal, caí lá graças ao vídeo do batom vermelho. Acredito que foi assim que JoutJout explodiu no mundo e ganhou carinhos de uma família que ela ainda não sabia bem que existia, mas estava lá, se formando e apoiando sua ideia de vencer e lidar com críticas virtuais.

Jout me inspirou a criar o meu próprio canal. Lógico, não chega nem perto do que ela já conquistou hoje em questão de grandes números de inscritos e visualizações. Mas, sinceramente, eu acho que ela não se importa com isso. Ela não fez o canal pra isso - os números. Já foi dito que o JoutJout Prazer só existiu e existe por ela mesma: pra aprender e crescer com as críticas da vida, de forma mais leve e espontânea. Taí uma coisa que gosto na Jout e ainda não vejo em mim quando gravo um vídeo: a espontaneidade. Eu não falo pra câmera do jeito que falo na vida. Meu sonho era falar com "vocês" do jeito que falo sozinha pela casa. 


É natural. Natural porque ainda não me sinto firme nem segura pra falar do jeito que eu queria ou da forma que acho conveniente para um vídeo. O que é ruim, mas ao mesmo tempo me faz refletir sobre como sou na questão da minha imagem para com o mundo. O que eu sou quando as pessoas me veem? Será que é a mesma coisa que eu vejo quando assisto um vídeo meu, ou será que é só mais uma estranha que eles clicaram sem querer pq tava num vídeo do lado daquilo que queriam ver?

Eu não sei.

Há muito e muito tempo que penso que sou uma mistura de muitos personagens que já vi na vida. Gente de seriado, de filme, de série, de youtube mesmo, de tudo. Será que isso me construiu ou eu até hoje não sei bem o que eu sou e só sigo tentando? A gente nunca sabe. 

Mas Jout sabe.


Ela leva a leveza inacreditável e humorística da vida com uma naturalidade tão incrível que é impossível não querer assistir mais um de seus vídeos, e mais um, e mais outro, e se identificar com todos, ao mesmo tempo que o assunto não tem nada a ver contigo em um raro momento. Assim como aquela página História sem Graça, a Jout conseguiu lançar uma luz de alegria e contentamento nas pequenas coisas da vida que a gente nem percebia mais. Como colher uma manga pela primeira vez, anunciar a gravidez da cadelinha de estimação, chorar e ficar confusa com uma série (ou várias) ou até parar pra pensar "pq é mesmo que só dão camisinha pra homem no carnaval e pra mulher não?".

São umas coisas... sabe? E tudo está na forma como a gente encara essas coisas. A Jout encara bem. Ela te faz querer ser simples de novo, independente da imagem que tu buscava "criar" pras pessoas. 

Não tem que criar nada. E se não fosse por ela, mostrando isso tão escancaradamente, talvez eu nunca soubesse verdadeiramente. Por isso criei forças pra tentar ser eu mesma no canal (e aqui também, de novo e mais uma vez).

Às vezes eu só queria ser a Jout e, com isso, acabar sendo eu mesma.

Obrigada, JoutJout. ♥


Deixe um comentário

Que tal deixar um comentário bem maneiro aí?